Amplexos é mais que uma banda. São 15 anos de um trabalho diverso e consistente, marcado por apresentações vibrantes que misturam rock psicodélico com ritmos afro-latinos. 

 

Em "A Música da Alma", de 2012. produzido por Buguinha Dub, o coletivo atinge um público expressivo (em diversas listas de melhores do ano, como G1, O Globo), também a partir de um movimento de shows de rua e escolas e a distribuição de "piratinhas". 

 

A partir daí começam a rodar por palcos pequenos pelo Brasil. "A Música da Alma" conectaria a banda com o lendário guitarrista de Fela Kuti, Oghene Kologbo, que tocou, foi mestre maior e passou semanas hospedado no estúdio do grupo. Mais tarde, o guitarrista gravaria na faixa "Do Perdão", de 2015.

"Sendeiro" foi a reafirmação de algo que vinha acontecendo desde 2011: uma transformação íntima dos integrantes em busca do autoconhecimento. O disco trazia de forma menos abstrata esse caminho espiritual, com letras mais diretas. Antes, um single intitulado "Jerusalem" [2014] apareceu para colocar pontos de interrogação nas cabeças do público. 

 

Em 2020, em meio ao caos da pandemia, lançam "Segura", produzido de forma remota. Primeira música inédita desde 2015, a canção invoca as magias ancestrais, dos velhos, das mulheres, bruxas, benzedeiras. Uma ode musical à brasilidade, um resgate do Brasil profundo que, a convite do selo Leão Etíope Discos em 2021, seria revisitada em uma nova versão com participação de Lenine e Digitaldubs.

Mais que um grupo de músicos, o Amplexos segue trabalhando também nos bastidores da cultura alternativa do interior do Rio de Janeiro. Somam-se aos álbuns e shows uma longa e consistente trajetória dos integrantes como educadores, professores de música, engenheiros de som, produtores culturais, poetas e cozinheiros veganos, o que faz com que a banda mantenha seu frescor e trânsito pelas mais diversas áreas.

Recentemente lançaram singles em parceria com duas novas cantoras de Volta Redonda: “2 de Fevereiro”, com Raissa, uma ode à Iemanjá em arranjo “mpb”, e “Baralho”, com Ana Liz, um RnB sensual com tempero jazz. Produzidas, arranjadas e tocadas pela banda, as canções só reforçam o potencial dos músicos em mexer com a cena local com a maestria conquistada através do tempo de carreira e com olhos e ouvidos atentos ao novo.

Amplexos é formado por:
Guga (voz e guitarra),
Leandro Vilela (guitarra e vocais),
Leandro Tolentino (percussão),
Flavio Polito (baixo),
Mestre André (bateria)
e Martché (teclados e vocais).